sábado, 19 de abril de 2008

ACAMPAMENTO CIGANO II Iara Bernardes.

Sônia e Márcia explicam como funciona a existência da mulher cigana neste universo, que de passagem é muito diferente do que estamos acostumados. Porém para elas tudo é absolutamente coerente e natural. Conforme essas duas ciganas muito experientes, toda moça cigana deve se casar virgem. Vestindo branco e logo após as núpcias a noiva tem que levar a prova de sua castidade, exibindo seus lençóis manchados de sangue e apresentá-los aos pais de seu marido. Sempre acompanhada de sua mãe. Elas nos contam também que todas as mães preferem ter filhos homens. Mas isso tem um motivo fortíssimo nesta cultura. A sogra tem um papel imprescindível na vida das moças que se casam com seus filhos. Essas moças casam-se muito cedo, perto dos treze anos e da primeira menstruação. Até por conta da biologia desse povo que tem suas raízes há muito tempo encravadas na história da humanidade, as meninas ciganas costumam menstruar próximas de seus treze anos de idade. Então a sogra é quem vai cuidar dessa nova filha. As sogras depois que seus filhos homens se casam, irão lavar, cozinhar, passar, arrumar tudo para o novo casal. Elas também são responsáveis em ensinar métodos contraceptivos para suas noras. No momento em que percebem a maturidade de suas “filhas” (as noras), as sogras as incentivam a engravidar. Normalmente os casamentos entre famílias ciganas acontecem a partir da escolha da família dos homens. Para os homens ciganos, a partir dos treze anos, as meninas estão prontas para se casar. Moças com 16, 17 anos, que não conseguiram ser escolhidas por famílias, são consideradas velhas dentro do acampamento. Outro dado muito interessante está relacionado com os cabelos das mulheres. Elas só podem cortá-los quando ficam viúvas ou perdem um filho. Os cabelos longos são uma obrigação feminina. Nas histórias de amor que Sônia e Márcia nos contam, confidenciam que mulheres ciganas nunca se separam. Caso isso venha a acontecer (o que é absolutamente improvável), os maridos deixam suas tendas e elas nada exigem deles e ficam com os filhos. No caso da paixão de um homem não cigano por uma moça cigana, este pobre miserável, queimará seu coração por toda sua existência, pois esta união não é possível. Já no caso de um homem cigano se apaixonar por uma mulher não cigana, esta relação é absolutamente possível, porém a mulher escolhida, deverá se mudar de “mala e cuia” para o acampamento de seu marido. Este acampamento cigano está instalado em Itapevi há muitos anos. Eles vão e vêm, afinal são nômades, mas no caso do Tchaco e sua família a situação é um pouco diferente. Suas responsabilidades para com o acampamento são maiores. Hoje o senhor Geneci quer montar uma escola para suas crianças ciganas. Precavido com relação à total falta de cultura e conhecimento que a sociedade em geral tem de sua gente, o Tchaco por proteção não deixa que suas crianças freqüentem escolas não ciganas e também não os quer brincando nas ruas, ou com outras crianças que não sejam ciganas. Por isso sua vontade de estar montando uma escola específica para as crianças de seu acampamento. Conforme Geneci, a vertente de seus atuais negócios, que são a compra e venda de automóveis, provém das gerações anteriores da gente que povoou este grupo, vindo de Minas Gerais, quando seus antepassados viviam da venda, troca e compra de cavalos. O SAGRADO: Geneci, Sônia, Márcia e todos os outros que acabam formando um grupo grande dentro da barraca do Tchaco, contam sobre a única Santa Cigana reconhecida pela própria Igreja Católica: Santa Sara Cigana de Cali. Muito devotos da Santa, na maioria das barracas podemos ver sua linda imagem. O dia de Santa Sara Cigana de Cali é comemorado em 25 de maio, porém todo acampamento faz 3 festas por ano em homenagem a ela.As celebrações de casamentos são muito parecidas com as dos católicos, até por que esses ciganos são católicos. No entanto, quem celebra é um padre cigano, que é convidado especialmente para celebrar esses matrimônios.Eles também nos contam que comemoram neste acampamento o dia de Nossa Senhora Aparecida, a padroeira do Brasil, com uma linda festa, com muita comida, vinhos e frutas. Nestas comemorações sagradas é que se pode ver a dança cigana, uma das características culturais deste povo extremamente bonito, sensual e rico. Somente nestes dias de comemorações sagradas é que se poderá observar um pouco os tornozelos das moças ciganas, elas não podem mostrar suas pernas, nunca! Uma curiosidade também é que todas as mulheres ciganas quando entram no mar, só o fazem de roupa, sempre. Hoje, neste acampamento, ainda usam entre si palavras de um dialeto de uma linguagem que me explicam se chama “Chiibi”.Toda a hierarquia cigana é extremamente respeitada, especialmente pelas mulheres. No entanto, apesar do nosso entender repleto de concepções machistas ao ouvirmos suas histórias, elas nos garantem que são muito felizes e dão muita risada da nossa situação. Afinal, eu e Eriane já passamos dos 13 anos a muito tempo e ainda não nos casamos, não temos maridos, nem filhos. Para as mulheres ciganas, nós é que somos muito diferentes! Ah! O Marco? Cadê o Marco, nos perguntamos!Olhamos pruma barraca distante e lá estava ele, deitado literalmente no barro, tirando seus retratos, as crianças embevecidas com aquele homem de sorriso infantil e com uma máquina apontando pra eles... Do sonho dele... Das fotos, seus retratos, de tudo isso, uma história... Absolutamente improvável, absolutamente inesquecível...
Iara Bernardes - Dezembro/2006

6 comentários:

Manuela disse...

Olá gostei muito do teu blog.
Vou levar o link se não te importas.
Eu também aprecio os ciganos mais propriamante a sua música, quanto á sua maneira de ser já não gosto tanto mas é a sua tradição.
Abraço

Manuela

Anônimo disse...

gostei muito do blogger , muito informativo,muito bem elaborado.

paulojhiyody disse...

muito bom o blog.
vi coisas muito bonitas e muito
informativas, adorei a música,
gosto e pratico as tradições
ciganas . tenho minha tribo.

paulojhiyody disse...

muito bom o blog.
vi coisas muito bonitas e muito
informativas, adorei a música,
gosto e pratico as tradições
ciganas . tenho minha tribo.

goiabinha disse...

gostei muito de ler e conhecer um pouco de voces , eu respeito voces e agradeço pela informaçao sobre a leitura das velas .
obrigado!

Anônimo disse...

Amei o seu blog.Namoro com um cigano e a cada dia me apaixono mais por essa cultura e esse povo maravilhoso.sao pessoas muito especias e com historias maravilhosas!!

Abraços.