quarta-feira, 24 de outubro de 2007

A MULHER CIGANA I

Enquanto o homem representa o esteio e o braço forte da família, a mulher significa o lado terno e de proteção espiritual dos lares ciganos. Ela quem desempenha um dos papéis mais importantes na estrutura da família, o de mãe.
Cabe as mulheres desde cedo cuidarem das tarefas do lar, tornando-o o mais aconchegante e confortável possível, seja o lar paterno, seja o seu próprio com o marido. As meninas ficam sempre ao redor da mãe auxiliando nos trabalhos de casa, ajudando a cuidar dos irmãos menores e aprendendo as tradições e costumes como execução da dança, a leitura das cartas e das mãos, a realização dos rituais e cerimônia, os preceitos religiosos.
A mulher cigana tem seu lado feminino marcadamente atraente, colorido e sensual. Aliás, quando pensamos em ciganos, a primeira imagem que nos vem à mente é a destas mulheres vestidas com roupas longas e cheias de cor, de cabelos escuros apanhados por lenços coloridos, muitas jóias ao redor do pescoço, dos punhos e argolas de ouro penduradas nas orelhas.
A mulher cigana deve saber cozinhar, cuidar da casa, dançar, dirigir as cerimônias e rituais e saber ler a sorte. Ela deve ser de preferência bonita, ter encantos e ser dotada de atrativos. Caso ela não reúna estes elementos terá pouco valor e talvez somente case se houver algum tipo de convêniencia para o pai do noivo, como ter um pai influente, rico ou com poder de liderança.
A cigana se casa muito jovem, geralmente ao redor dos quinze anos e deve ser virgem, condição - aliás considerada fundamental para o matrimônio. A virgindade será avaliada pelas mulheres mais velhas, pelas mães dos noivos e pela matriarca do clã no dia do casamento, sendo a mãe da noiva festivamente cumprimentada caso a filha seja virgem como pede a tradição. Se a jovem, o que é muito caro, já tiver tido experiência sexual e não for virgem, será severamente castigada, o casamento desfeito e deverá haver reparação aos pais do noivo. Em razão de tão sérias conseqüências as jovens ciganas se guardam de qualquer contato físico, não permitindo que um jovem ou um homem lhes encoste sequer a mão.
As mulheres casadas também são muito pudicas, não dando liberdade para que qualquer homem as toque ou faça qualquer demonstração de afeto físico. Até mesmo com seus maridos elas são bastante recatadas, em especial em público, pois, os ciganos temem os falatórios maldosos, as más línguas.
Apesar destas atitudes cautelosas tanto as jovens como as mulheres casadas são muito faceiras, insinuantes e provocantes, em particular quando dançam. Elas usam a dança como instrumento de sedução, além da função da dança propriamente dita, ou seja, diversão, demonstração de alegria e parte obrigatória das festividades. Festa de ciganos sem música e dança não é festa, e eles são muito festeiros, não perdendo nenhuma oportunidade de tocar seus violões, acordeons, violinos, cantar e dançar entusiasmadamente agitando pandeiros e batendo palmas, que acreditam ser uma forma de espantar a negatividade, abrindo espaço para a positividade.
Rosaly Mariza Schepis

4 comentários:

Tahinaue Mística disse...

Muito Linda a matéria sobre a mulher cigana Samira parabéns, vc. como sempre trazendo a cultura cigana para nós.
Bjs.
Tahinaue

neidelucio@hotmail.com disse...

adorei simplesmente é um povo que respeita suas tradições...é muito bom saber sobre esse lindo povo que foi muito discriminado e hoje tem o seu valor.....eu naum sou cigana mais tenho alma cigana...bjocas e parabens

livia disse...

samira eu sou apaixonada por ciganos ,acho lindo a cultura os costumes e os proprios ciganos,ate pq minha irma mora com um cigano .eu ja namorei um cigano acho maravilhoso o povo cigano.beijos se puder me mantem contato o meu e-mail é livialauton@hotmail.com um abraço.

Anônimo disse...

Olá eu me chamo Janine e sou cigana gostei muito da matéria pois falou muito bem sobre nós ciganas eu ainda não me casei mas falta pouco ano que vem com meus 17 anos vou ter o meu casamento ja estamos preparando tudo =)